Capsulite adesiva

O que é a Capsulite Adesiva?

A capsulite adesiva, ou também conhecida como ombro congelado, é uma doença que causa inflamação na cápsula articular do ombro, gerando dor e limitação dos movimentos do ombro. A causa da capsulite adesiva está relacionada à fatores genéticos e à reações auto-imunes, mas não se conhece exatamente como ela é originada. Sabe-se que ela é muito mais frequente em pacientes com  diabetes e doenças da tireóide (hipo ou hipertireoidismo), mas pode ocorrer em indivíduos sem essas alterações. Também pode ocorrer em pacientes que permanecem com o ombro imobilizado por período prolongado ou em pacientes com hérnia de disco cervical. Trauma no braco acometido também aumentas as chances de aparecimento dessa condição

Capsulite adesiva - ilustração

Como é a Evolução Natural da Capsulite Adesiva?

Uma inflamação na capsula articular(tecido que reveste toda a articulação) é observada nos casos, Pode existir algum “gatilho” para o desenvolvimento da capsulite, como um pequeno trauma ou um esforço repetitivo. Mas ela pode ocorrer sem nenhuma causa aparente.

A capsulite adesiva ocorre em 3 diferentes fases, com características diferentes. Quando essa inflamação na cápsula ocorre inicia-se a primeira fase da capsulite, que é a fase inflamatória. A dor pode ser leve no início, mas em poucos dias ou semanas progride para uma dor muito forte e extremamente limitante. Diferentemente das tendinites, bursites e da síndrome do impacto, qualquer movimento pode gerar a dor e não apenas os movimentos com os braços para cima. Nessa fase o movimento do ombro, apesar de doloroso, pode ainda estar normal. Essa fase dolorosa pode durar até 9 meses. Em seguida, inicia-se a fase de rigidez ou congelamento, em que há uma perda progressiva dos movimentos do ombro. Ainda pode haver dor nessa fase, mas de menor intensidade. O indivíduo sente o ombro mais curto, não alcança locais altos que alcançava previamente e não perda os movimentos de rotação, não conseguindo colocar a mão nas costas, buscar o sinto de segurança ou prender o sutiã.

Essa fase de rigidez pode durar até 12 a 18 meses. Por último, vem a fase de descongelamento, com uma duração muito variável, em que o movimento do ombro melhora progressivamente, com a resolução da doença. Na maioria dos casos, pode ocorrer uma perda final de 15-20% dos movimentos.

Como Diagnosticar a Capsulite Adesiva ?

O diagnóstico é feito tardio em muitos casos. É comum o paciente receber o diagnóstico de bursite, tendinite ou síndrome do impacto, mas na verdade estar em uma fase inicial da capsulite adesiva, pois o sintoma de dor é semelhante à essas doenças. Para o diagnóstico precoce é essencial o exame físico, que já pode demonstrar uma perda dos movimentos e uma história clínica detalhada, avaliando os principais fatores de risco. Exames de imagem como a radiografia (rx) ou ultrasonografia (usg) não vão demonstrar alterações na capsulite adesiva, mas podem ser úteis para diferenciar de outras causas de rigidez. Na presença de um quadro clínico característico e sendo possível afastar as outras causas não há necessidade de outros exames. Nos casos duvidosos ou em que se suspeita de outras doenças, a ressonância magnética pode ser indicada. É importante ressaltar que mesmo a ressonância magnética pode não detectar a capsulite, dependendo da fase da doença, e que outras alterações como as tendinites, bursites e lesões dos tendões do manguito rotador podem coexistir com a capsulite.

Tratamento

A capsulite adesiva é considerada uma patologia auto limitada, ela passa por 3 fases: inflamatória, congelamento e descongelamento. Cada fase deve ser tratado de forma individualizada.

Fase inflamatória. O principal objetivo é o controle adequado da dor. quanto antes conseguirmos o controle da dor mais curta é a duração da capsulite. Anti-inflamatórios não hormonais  podem ser utilizados porém a resposta normalmente é parcial e menor quando comparado a tendinites e bursite. Anti inflamatórios hormonais (corticóides),podem ser utilizados por via oral , intramuscular , intrarticular e subacromial dependendo da preferência do médico.

Antidepressivos triciclicos  apresentam resposta em alguns pacientes. Outros medicamentos para dor neuropática  também podem ser empregados.

Além disso a fisioterapia com objetivo de analgesia, antinflamatoria e manutenção do movimento abaixo do limite da dor são recomendaveis.

Tratamento cirúrgico nao tem indicação nesta fase

Fase de congelamento. Com relação a esta fase os antinflamatórios não apresentam boa resposta, deixando a opção de analgésicos opioides como como opções , normalmente associado a analgésicos simples como dipirona e paracetamol. Os Antidepressivos triciclicos podem ser mantidos em pacientes que apresentaram melhora da dor. A fisioterapia nesta fase deve evitar a perda dos movimentos. Exercícios de alongamentos são recomendáveis durante as seções e em casa.

O bloqueio em serie do nervo supraescapular (injeta-se anestésico próximo ao nervo que da a sensibilidade a capsula articular) isso pode ser feito com o auxilio de ultrassonografia. Normalmente esses bloqueios são semanais.

Nos casos de doença muito agressiva (perda progressiva e rápida da amplitude de movimento) o tratamento cirúrgico pode ser pensado. Apesar de não ser um consenso existe possibilidade de liberação artroscópica ou manipulação sob anestesia.

Fase de descongelamento. Nesta fase a dor não é a principal queixa e sim a restrição de movimento. A analgesia deve ser feita semelhante a fase de congelamento. E a fisioterapia pode ser mais agressiva no quesito ganho de movimento. Em pacientes com restrição grave de movimento ou aqueles com pouca resposta a fisioterapia . O tratamento cirúrgico é o indicado.

Tratamento Cirúrgico

O tratamento círúrgico tem o objetivo de melhora da amplitude de movimento do ombro. Não é indicado para melhora da dor apesar dos pacientes relatarem melhora da dor após o procedimento. Duas possibilidades:

Manipulação sob anestesia. Sob efeito de anestesia geral e bloqueio de plexo é manipulado o ombro com o objetivo de romper a capsula articular. Vantagem que é menos invasiva , desvantagem que a ruptura capsular nao é programada , pode haver fraturas ou lesões de tendão.

Liberação artroscopica 360º.Com o auxilio de uma camera no interior do ombro e pinças especiais libera-se a cápsula articular sob visão. Seguido manobra de maniulação. Vantagem resultado mais previsivel , menor chance de fraturas e lesões de tendão. Video abaixo ilustra a cirurgia.

O que causa a capsulite adesiva?

A capsulite adesiva é a inflamação da cápsula articular do ombro. Essa estrutura contém os ligamentos (justificando a perda do movimento) e a sinóvia (produz o líquido sinovial).

Quais são as fases da capsulite adesiva?

Inflamatória
Congelamento
Descongelamento

Quanto tempo dura a capsulite adesiva?

A capsulite adesiva pode durar de 6 meses a 3 anos nos casos não tratados, podendo até levar a sequelas definitivas. Quando tratado a duração é abreviada para 1 a 3 meses em média.

Rolar para cima